www.noticiasdecoura.com
noticiasdecoura@gmail.com
Tel.Fax 251 782 643

Edição on-line

 
   
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
   
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
   
 


::. Contactos

Notícias de Coura

Centro Coordenador de Transportes, Sala 12
Rua 25 de Abril
4940 - 526 Paredes de Coura

Telefone: +351 251 782 643
Fax: +351 251 782 643
Email: noticiasdecoura@gmail.com

 

Jornal Notícias de Coura
 
 
Redacção
  Telefone:+351 251 782 643
Fax: +351 251 782 643
Email: noticiasdecoura@gmail.com
 
Publicidade
  Telefone:+351 251 782 643
Fax: +351 251 782 643
Email: noticiasdecoura@gmail.com
 
Assinaturas
  Telefone:+351 251 782 643
Fax: +351 251 782 643
Email: noticiasdecoura@gmail.com

 

 
 
 

:: Opinião
quotidianos
Decorrem os dias em outono molhado de tanta chuva, que não para de cair, como se o céu estive para sempre pintado de um tom de cinza escuro. Falando em dias passados, recordo uma visita que fiz em Paredes de Coura, no primeiro fim de semana de outubro, à Capela Ecce-Homo, de Padornelo. Confesso que, depois de tantas vezes ter passado por lá, na minha apressada infância, nunca tinha entrado na capela, e possivelmente jamais reparei no estilo barroco que lhe serve de postal especial no domínio da arquitetura e arte.
LER MAIS
:: Opinião
OS ADORADORES DO BEZERRO DE OURO
Na correspondência travada com muitos dos amigos da minha editora foi-me enviado um dia destes uma frase de uma grande filósofa e escritora americana, de nome Alissa Zinovievna Rosenbaum, mas mais conhecida por Ayn Rand, que aqui reproduzo e constituiu motivo para a presente crónica. A frase é a seguinte: “Quando te deres conta de que para produzir necessitas obter autorização de quem nada produz, quando te deres conta de que o dinheiro flui para o bolso daqueles que traficam não com bens, mas com favores, quando te deres conta de que muitos na tua sociedade enriquecem graças ao suborno e influências, e não ao seu trabalho, e que as leis do teu país não te protegem a ti, mas protegem-nos a eles contra ti, quando, por fim, descobrires ainda que a corrupção é recompensada e a honradez se converte num auto-sacrifício, poderás afirmar, taxativamente, sem medo de te equivocares, que a tua sociedade está condenada”.
LER MAIS
:: Opinião
O DIA 24 DE OUTUBRO
Vinte e quatro de Outubro de 1967, uma segunda-feira. O tempo estava bom, durante o dia houve sol e algum calor, embora o Outono já tivesse chegado há cerca de um mês. Foi um dia de muita ansiedade para o pessoal da minha rua, no qual eu me incluía, da Travessa Henrique Cardoso, em Lisboa. Tínhamos que nos apresentar no Campo de Tiro da Serra da Carregueira, Sintra, até às 17.45 horas desse dia, a fim de sermos incorporados no Serviço Militar Obrigatório. Era a quarta e última incorporação anual.
LER MAIS