www.noticiasdecoura.com
noticiasdecoura@gmail.com
Tel.Fax 251 782 643

Edição on-line

 
   
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
   
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
   
 


::. Destaques

LIPINHO, UM LIMIANO QUE É SÍMBOLO DO COURENSE

"Courense fez bem não ter aceitado o convite para subir"

Filipe Vieira, conhecido no mundo do futebol por Lipinho, cumpre a quinta época com as cores do Sporting Clube Courense (SCC). Para além de se ter afirmado desde logo como um dos indiscutíveis da equipa, o limiano rapidamente fez valer a importância da sua experiência e cedo se tornou uma das vozes mais influentes e respeitadas no balneário, sendo por isso com toda a naturalidade um dos capitães da equipa.

Aos 34 anos, a carreira futebolística de Lipinho fala por si. A juntar às três subidas de divisão ao serviço do clube da terra e do coração – o Limianos, o nosso entrevistado desta edição soma muitas épocas na 3ª Divisão em clubes como Monção, Cerveira e Ponte da Barca.
Em boa hora aceitou o convite de Armando Araújo Carioca para se transferir para Paredes de Coura até porque nestas últimas quatro épocas foi um dos atletas com maior destaque em duas das mais notáveis campanhas do SCC, o 3º lugar alcançado no período de José Pequeno e o vice-campeonato da época passada, que correspondeu à melhor classificação de sempre do clube. Não será, por isso, excessivo afirmar-se que Lipinho é um dos jogadores com mais qualidade que já passaram pelo emblema courense, tendo já conquistado um lugar de relevo na história do clube e um carinho especial por parte de adeptos e simpatizantes.

Como se deu a vinda de Lipinho para o SCC?
Conhecia o presidente do clube, o Sr. Armando, da minha actividade como jornalista da secção de desporto do jornal Alto Minho. Houve uma primeira abordagem do presidente a um colega que na altura também jogava no Limianos, falou-se de mim e os três agendámos uma reunião. Entretanto a época terminou e apesar de ter subido com o Limianos eu já tinha decidido que não iria continuar no clube, apesar de pretenderem a minha continuidade. O SCC chegou primeiro e eu dei a minha palavra de que viria para cá. A verdade é que antes ainda de assinar contrato, fui abordado por um outro clube, que viria a ser o campeão nessa temporada. Ainda falei com o Sr. Armando para que ele me libertasse, no entanto, ele disse-me que pretendia construir uma equipa forte e que eu me incluía nesse projecto. Não me poderia impedir de sair se eu assim quisesse mas ficaria magoado. Claro que só podia manter a minha palavra e em boa hora o fiz. Já vou na 5ª época consecutiva no SCC, algo inédito, na medida em que nunca estive tanto tempo seguido num clube. A partir da primeira época, gostei tanto de cá estar que dou ao clube a possibilidade de optar pela minha continuidade se assim o quiser.
Por outro lado, o Marcolino que foi meu colega no Cerveira e que na altura jogava no SCC, falou-me muito bem do clube, dizendo que depois de vir para Coura não ia querer outra coisa. E assim foi.
As questões financeiras foram decisivas para aceitar o convite do SCC?
O SCC foi o único clube que me apresentou valores, tendo eu aceitado e dado o meu compromisso. Os dois outros clubes que manifestaram interesse em contar comigo não chegaram a apresentar valores. A partir daí nunca ouvi outras propostas, sempre dei a primazia ao SCC.
Quais os pontos altos do seu trajecto no SCC?
Naturalmente, o primeiro ano, com o Zé Pequeno, em que fizemos a pré-época atrás de uma das balizas devido às obras no sintéctico e o ano passado.
É invulgar um futebolista ser também jornalista. Como consegue fazer a cobertura dos jogos, na medida em que nessa hora encontra-se a jogar?
Essa é a maior limitação que tenho na minha actividade profissional, que procuro contornar ouvindo as declarações dos treinadores, analisando os dados relativos ao jogo e socorrendo-me de outras fontes. As pessoas já me conhecem pelo trabalho que venho desenvolvendo ao longo destes 10 anos e sabem que apesar de dar a minha opinião nas crónicas, procuro sempre separar as águas e ser imparcial.
O facto de viver o futebol por dentro há tantos anos como futebolista ajuda-o na sua actividade como jornalista?
Claro que sim. Ajuda a manter uma alargada rede de contactos e permite que os diversos agentes me respeitem porque eu, acima de tudo, procuro ser respeitador.
Quais foram os pontos altos do seu trajecto como futebolista?
As subidas são sempre os momentos mais marcantes. As experiências fora de Ponte de Lima foram igualmente épocas intensas porque foram sempre campeonatos na terceira divisão. O SCC correspondeu à minha primeira saída de Ponte de Lima para jogar no distrital.
Lembra-se da sua melhor época?
Três anos antes de vir para o SCC, na minha segunda subida pelo Limianos, consegui uma época muita produtiva, quer em golos, quer na qualidade das exibições.
O Lipinho sempre pisou terrenos avançados?
Sempre joguei a médio/extremo direito. Mas desde que vim para o SCC tenho alternado essa posição com a de médio ofensivo centro.
Qual o seu clube de eleição?
O Limianos, por vários motivos. É o clube da terra, é onde tenho um grupo de amigos de vários anos a jogar juntos e sempre formámos grandes equipas. É o clube de que mais gosto e onde me sinto melhor. Depois destaco o SCC e a atestá-lo está o facto de nunca ter estado tantos anos consecutivos no mesmo clube. Integrei-me bem aqui, as pessoas demonstram carinho e não há motivo para se mudar quando se está bem.
Chegou a acalentar o sonho da profissionalização?
Sim. Depois da minha primeira época sénior, há cerca de 15 anos, cheguei a fazer um treino no Beira-Mar, que tinha acabado de subir à 1ª Divisão. O treinador, o António Sousa, tinha uma equipa jovem e procurava jogadores experientes. Não fiquei. A partir daí, tive um ou dois contactos para jogar na 2ª B, em equipas do distrito, situações que também não se concretizaram.
Como entendeu e reagiu ao facto da direcção do SCC ter declinado no final da época passada a possibilidade da subida administrativa à 3ª Divisão?
Eu sou daqueles que acho que o SCC fez bem em não ter aceitado subir. Mas, por outro lado, pensando nos atletas que nunca jogaram nos nacionais, penso que seria uma boa oportunidade para eles. Espero que essa possibilidade volte a surgir, na 2ª Divisão, visto que esta época é a última em que se disputa a 3ª Divisão. Claro que se o SCC tivesse sido campeão, seria de outra forma, visto que o campeão deve sempre subir. Dessa forma, acho que se fez bem, visto que seria uma experiência de apenas um ano, na medida em que sobem à Segunda os dois primeiros de cada série e todas as restantes equipas baixam às distritais.

[23-10-2012 - 10:57] [José Miguel Nogueira]

::. Mais Notícias desta Secção
Total Notícias: 4
 

MARCA DE SUCESSO
João Carvalho não esconde satisfação pelo sucesso do Paredes de Coura 2014 “Foi o melhor ano de sempre, a edição quase perfeita” “Festival ganhou uma nova alma o que facilita a organização do próximo ano” João Carvalho, o porta-voz da Ritmos faz o balanço da melhor edição de sempre do festival de Paredes de Coura nas páginas do Notícias de Coura. Para além do êxito mediático e popular, o promotor courense mostrou também a satisfação porque o retorno financeiro para a empresa, esteve a par com um sucesso sem precedentes, quer para o comércio local, quer para a divulgação do concelho. Numa edição que fica marcada por iniciativas inovadoras como os quatro dias de subida do festival à vila, o alargamento de desconto nos bilhetes para os residentes e o aumento das condições de comodidade para albergar os visitantes no recinto através da instalação de bungalows, João Carvalho realçou a inclusão de José Eduardo Martins no grupo que organiza o Paredes de Coura. Entre outros dados sublinhados e que merecem uma leitura atenta desta entrevista, destaque ainda para a relação de cumplicidade existente entre município e Ritmos, que promete fazer crescer ainda mais o evento que deu expressão ao concelho.

[16-09-2014 - 15:24] [José Miguel Nogueira]


LER MAIS

DE PASSAGEM PELO FESTIVAL PAREDES DE COURA
ANTÓNIO COSTA REPROVA ENCERRAMENTO DO TRIBUNAL
Sendo público o apoio que Vítor Paulo Pereira consagra a António Costa, actual presidente da Câmara de Lisboa e candidato a líder do PS, com primárias marcadas para o último domingo de Setembro, o adversário de Seguro esteve no Festival Paredes de Coura. Foi com surpresa que os festivaleiros viram António Costa chegar ao Taboão, ladeado por Vítor Paulo Pereira e pelos courenses organizadores do Festival, entre eles o antigo governante social-democrata José Eduardo Martins. Antes ainda de manifestar o seu apreço pelo Festival (“uma referência não só nacional como internacional”, admitiu), António Costa mostrou-se preocupado com o encerramento do Tribunal de Paredes de Coura. “A justiça deve ser feita no local onde os factos ocorrem”, defendeu Costa, no dia 20 de Agosto, prestes a deixar ao anfiteatro natural do Taboão, repleto de música e festivaleiros.

[16-09-2014 - 15:34] [Vaz de Sousa]


LER MAIS

Levantamento exaustivo da etnografia de paredes de coura
CANCIONEIRO COURENSE apresentou-se a 10 de agosto
Paredes de Coura, concelho do coração do Alto Minho, cheio de tradições e belezas sem fim, terra fértil e rica, foi considerada em tempos celeiro do Minho, hoje virada para o futuro, moderniza-se e investe para fixar os jovens à terra. No entanto, não esquece as suas gentes, as suas tradições, os seus costumes, e foi nesta busca por tudo aquilo que nos orgulha, que um grupo de aficcionados da genuína etnografia courense, resolveu ir às raízes do nosso povo e mostrar às gentes que nos visitam e também aos que andam por cá, quiçá mais distraídos, como viviam os nossos antecessores courenses nos finais do séc. XIX.

[16-09-2014 - 15:50] [Paula Pereira]


LER MAIS

FIM DA COMARCA 139 ANOS DEPOIS
MINISTRA DA JUSTIÇA TIRA COURA DO MAPA
Desde 1 de Setembro que Paredes de Coura não tem Tribunal. O novo mapa da ministra Paula Teixeira da Cruz deixou de contar com a comarca que havia sido criada em 1875, correspondendo aos anseios e à luta da nossa gente desses heróicos tempos. Acaba assim o importante simbolismo que significava a ligação do concelho a Lisboa. Luto em Coura, pois. Centenas de processos a serem transportados para Valença, funcionários a receberem transferência para Viana, Ponte de Lima e Valença, povo de Coura a ter o acesso dificultado à Justiça, ou seja menos Justiça – menos democracia. Eis o infeliz retrato dos dias que correm.

[16-09-2014 - 15:53] [JOSÉ CUNHA]


LER MAIS

 

:: Opinião
quotidianos
A designação Paredes de Coura foi consagrada pela Lei, de 16 de abril de 1875, instituinte de trinta comarcas a nível nacional, cujos contornos políticos foram descritos na monografia Alto Minho – Paredes de Coura. Aquando do 35º aniversário da criação da comarca, foi publicado o opúsculo Consagração, com textos de muitos courenses, incluindo Narciso Alves da Cunha, Manuel da Cunha Brandão, Bernardo Chouzal e Casimiro Rodrigues de Sá, entre outros.
LER MAIS
:: Opinião
O FUTURO DE PORTUGAL AINDA É POSSÍVEL
Persistindo numa política errada e errática, em boa parte subordinada a uma política da União Europeia igualmente errada e errática, de todo desajustada aos grandes princípios do seu mentor e da sua criação, Jean Monet – princípios que entre outros aspectos fundamentais defendiam a valorização do factor social e humano, sem descriminação dos países que a iriam enformar, pequenos ou grandes, ricos ou pobres – o nosso actual Governo parece empenhado em levar ao limite o empobrecimento do nosso país.
LER MAIS
:: Opinião
Chega de subtrair!
Em apenas 30 anos, o número de crianças em Paredes de Coura caiu 60 por cento. Os números frios do Instituto Nacional de Estatística não deixam margem para dúvidas: em 1981 existiam no nosso concelho quase 2900 jovens com idades entre os 0 e os 14 anos. Em 2011 (data dos últimos censos), esse número ficava-se pelos 1130. Hoje serão certamente menos.
LER MAIS
:: Opinião
TUAS DORES QUE SÃO NOSSAS
Quando chegaste à minha beira trazias no rosto todo o luto do mundo. Abraçaste-me num aperto longo e transmissor de um desespero profundamente triste a correr em todo teu ser. - É hoje… - disse eu à falta de mais palavras. Acenaste que sim com a lentidão do réu a subir para o cadafalso. Teus olhos choravam tristezas sem fim. E, roído por uma dor súbita, peguei em tua mão e apertei-a com força na alma o desejo de te levar a força de que carecias. Pedi ao empregado duas aguas sem gás frescas, querendo, com a bebida, refrescar o inferno de frustração que nos queimava o corpo e a mente.
LER MAIS