www.noticiasdecoura.com
noticiasdecoura@gmail.com
Tel.Fax 251 782 643

Edição on-line

 
   
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
   
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
   
 


::. Destaques

LIPINHO, UM LIMIANO QUE É SÍMBOLO DO COURENSE

"Courense fez bem não ter aceitado o convite para subir"

Filipe Vieira, conhecido no mundo do futebol por Lipinho, cumpre a quinta época com as cores do Sporting Clube Courense (SCC). Para além de se ter afirmado desde logo como um dos indiscutíveis da equipa, o limiano rapidamente fez valer a importância da sua experiência e cedo se tornou uma das vozes mais influentes e respeitadas no balneário, sendo por isso com toda a naturalidade um dos capitães da equipa.

Aos 34 anos, a carreira futebolística de Lipinho fala por si. A juntar às três subidas de divisão ao serviço do clube da terra e do coração – o Limianos, o nosso entrevistado desta edição soma muitas épocas na 3ª Divisão em clubes como Monção, Cerveira e Ponte da Barca.
Em boa hora aceitou o convite de Armando Araújo Carioca para se transferir para Paredes de Coura até porque nestas últimas quatro épocas foi um dos atletas com maior destaque em duas das mais notáveis campanhas do SCC, o 3º lugar alcançado no período de José Pequeno e o vice-campeonato da época passada, que correspondeu à melhor classificação de sempre do clube. Não será, por isso, excessivo afirmar-se que Lipinho é um dos jogadores com mais qualidade que já passaram pelo emblema courense, tendo já conquistado um lugar de relevo na história do clube e um carinho especial por parte de adeptos e simpatizantes.

Como se deu a vinda de Lipinho para o SCC?
Conhecia o presidente do clube, o Sr. Armando, da minha actividade como jornalista da secção de desporto do jornal Alto Minho. Houve uma primeira abordagem do presidente a um colega que na altura também jogava no Limianos, falou-se de mim e os três agendámos uma reunião. Entretanto a época terminou e apesar de ter subido com o Limianos eu já tinha decidido que não iria continuar no clube, apesar de pretenderem a minha continuidade. O SCC chegou primeiro e eu dei a minha palavra de que viria para cá. A verdade é que antes ainda de assinar contrato, fui abordado por um outro clube, que viria a ser o campeão nessa temporada. Ainda falei com o Sr. Armando para que ele me libertasse, no entanto, ele disse-me que pretendia construir uma equipa forte e que eu me incluía nesse projecto. Não me poderia impedir de sair se eu assim quisesse mas ficaria magoado. Claro que só podia manter a minha palavra e em boa hora o fiz. Já vou na 5ª época consecutiva no SCC, algo inédito, na medida em que nunca estive tanto tempo seguido num clube. A partir da primeira época, gostei tanto de cá estar que dou ao clube a possibilidade de optar pela minha continuidade se assim o quiser.
Por outro lado, o Marcolino que foi meu colega no Cerveira e que na altura jogava no SCC, falou-me muito bem do clube, dizendo que depois de vir para Coura não ia querer outra coisa. E assim foi.
As questões financeiras foram decisivas para aceitar o convite do SCC?
O SCC foi o único clube que me apresentou valores, tendo eu aceitado e dado o meu compromisso. Os dois outros clubes que manifestaram interesse em contar comigo não chegaram a apresentar valores. A partir daí nunca ouvi outras propostas, sempre dei a primazia ao SCC.
Quais os pontos altos do seu trajecto no SCC?
Naturalmente, o primeiro ano, com o Zé Pequeno, em que fizemos a pré-época atrás de uma das balizas devido às obras no sintéctico e o ano passado.
É invulgar um futebolista ser também jornalista. Como consegue fazer a cobertura dos jogos, na medida em que nessa hora encontra-se a jogar?
Essa é a maior limitação que tenho na minha actividade profissional, que procuro contornar ouvindo as declarações dos treinadores, analisando os dados relativos ao jogo e socorrendo-me de outras fontes. As pessoas já me conhecem pelo trabalho que venho desenvolvendo ao longo destes 10 anos e sabem que apesar de dar a minha opinião nas crónicas, procuro sempre separar as águas e ser imparcial.
O facto de viver o futebol por dentro há tantos anos como futebolista ajuda-o na sua actividade como jornalista?
Claro que sim. Ajuda a manter uma alargada rede de contactos e permite que os diversos agentes me respeitem porque eu, acima de tudo, procuro ser respeitador.
Quais foram os pontos altos do seu trajecto como futebolista?
As subidas são sempre os momentos mais marcantes. As experiências fora de Ponte de Lima foram igualmente épocas intensas porque foram sempre campeonatos na terceira divisão. O SCC correspondeu à minha primeira saída de Ponte de Lima para jogar no distrital.
Lembra-se da sua melhor época?
Três anos antes de vir para o SCC, na minha segunda subida pelo Limianos, consegui uma época muita produtiva, quer em golos, quer na qualidade das exibições.
O Lipinho sempre pisou terrenos avançados?
Sempre joguei a médio/extremo direito. Mas desde que vim para o SCC tenho alternado essa posição com a de médio ofensivo centro.
Qual o seu clube de eleição?
O Limianos, por vários motivos. É o clube da terra, é onde tenho um grupo de amigos de vários anos a jogar juntos e sempre formámos grandes equipas. É o clube de que mais gosto e onde me sinto melhor. Depois destaco o SCC e a atestá-lo está o facto de nunca ter estado tantos anos consecutivos no mesmo clube. Integrei-me bem aqui, as pessoas demonstram carinho e não há motivo para se mudar quando se está bem.
Chegou a acalentar o sonho da profissionalização?
Sim. Depois da minha primeira época sénior, há cerca de 15 anos, cheguei a fazer um treino no Beira-Mar, que tinha acabado de subir à 1ª Divisão. O treinador, o António Sousa, tinha uma equipa jovem e procurava jogadores experientes. Não fiquei. A partir daí, tive um ou dois contactos para jogar na 2ª B, em equipas do distrito, situações que também não se concretizaram.
Como entendeu e reagiu ao facto da direcção do SCC ter declinado no final da época passada a possibilidade da subida administrativa à 3ª Divisão?
Eu sou daqueles que acho que o SCC fez bem em não ter aceitado subir. Mas, por outro lado, pensando nos atletas que nunca jogaram nos nacionais, penso que seria uma boa oportunidade para eles. Espero que essa possibilidade volte a surgir, na 2ª Divisão, visto que esta época é a última em que se disputa a 3ª Divisão. Claro que se o SCC tivesse sido campeão, seria de outra forma, visto que o campeão deve sempre subir. Dessa forma, acho que se fez bem, visto que seria uma experiência de apenas um ano, na medida em que sobem à Segunda os dois primeiros de cada série e todas as restantes equipas baixam às distritais.

[23-10-2012 - 10:57] [José Miguel Nogueira]

::. Mais Notícias desta Secção
Total Notícias: 4
 

Festa de encerramento da liga portuguesa contra o cancro
Chegou ao fim o “Um Dia pela Vida”, projecto a que Paredes de Coura se associou angariando fundos a favor da Liga Portuguesa Contra o Cancro e sensibilizando a população para a importância da prevenção da doença. Desde 1 de Março até 5 de Julho, forças vivas e população de todas as freguesias mostraram um empenhamento extraordinário em prol do projecto, de resto, como tem sido dado eco nas páginas do NC. Uma vez mais, neste sábado, dia 5, todos responderam presente à Festa de Encerramento, que decorreu na vila de Paredes de Coura e contou com a colaboração de associações culturais e um ror de instituições locais, em animação das mais variadas formas, actividades educativas e venda de artigos em favor da Liga.

[08-07-2014 - 14:19] [Gorete Rodrigues ]


LER MAIS

Homem forte da eprami, Manuel Miranda garante
" A afirmação da escola é de nível nacional"
Na hora em que celebra vinte anos de existência, a EPRAMI não esconde a ambição de cimentar cada vez mais os índices da qualidade de ensino praticada na escola dirigida pelo professor Manuel Miranda. O NC foi ao encontro do homem forte da Escola Profissional que apresenta modelares instalações em Paredes de Coura e preocupações de um ensino rumo à excelência. Do encontro resulta uma entrevista que faz o balanço de duas décadas e projecta o futuro do credenciado estabelecimento de ensino.

[08-07-2014 - 14:25] [Manuel Tinoco]


LER MAIS

Ciclismo traz 200 atletas ao concelho
3º BTT XCO de Paredes de Coura revestido de êxito
No dia 29 de Junho, Paredes de Coura recebeu o Campeonato do Minho de BTT XCO. Organizado pela Associação de Ciclismo do Minho e pela Câmara Municipal de Paredes de Coura, a concentração teve o seu ponto central no Largo 5 de Outubro. O 3º BTT XCO de Paredes de Coura integrou provas para as categorias de elites, paraciclismo, juniores, masters, cadetes, juvenis, infantis, iniciados, benjamins e promoção. Depois de um período para treinos entre as 10 e as 12 horas, a competição do 3º BTT XCO de Paredes de Coura arrancou às 12 horas com as actividades para benjamins e iniciados. Pelas 14 horas começou a prova para infantis, juvenis, cadetes, femininos, paraciclismo e promoção e às 15.30 horas a corrida de juniores, seniores e masters. A cerimónia protocolar de entrega de prémios teve início às 17 horas e contou com a presença, entre outras individualidades, do vice-presidente do Município, Tiago Cunha e da vereadora do pelouro do desporto, Maria José Moreira. Desde a sua estreia no Campeonato do Minho de BTT XCO, em 2012, Paredes de Coura tem brindado os participantes com um circuito bastante elogiado e de rara beleza. Conjugando a excelência e as caraterísticas do percurso com o alto nível competitivo e organizativo, o BTT XCO de Paredes de Coura transforma-se com facilidade num surpreendente dia de ciclismo.

[08-07-2014 - 14:35] [Henrique Reis]


LER MAIS

Solstício na cividade: sons celtas e ambiente místico
“Perto do céu e em comunhão com a natureza, contemplamos o sol no horizonte e damos as boas-vindas ao Verão”. No passado dia 21 de Junho sob a organização da Associação “A Cividade”, celebrou-se no monte da Cividade em Cossourado, pela sétima vez consecutiva, mais uma edição do Solstício de Verão. A chegada do Verão já é sinónimo de Solstício de Verão n’A Cividade. O Solstício de Verão é um fenómeno da astronomia que marca o início do Verão e significa também a época do ano em que o Sol incide com maior intensidade num dos dois hemisférios. Durante o Solstício, o Sol (visto da Terra) surge no ponto mais afastado do equador celeste ao realizar o seu movimento aparente no céu.

[08-07-2014 - 14:39] [Carlos Alexandre Cunha]


LER MAIS

 

:: Opinião
quotidianos
Havia um homem, de seu nome Pedro Nunes, que foi incumbido, pelo rei D. Afonso III, de fazer as inquirições na região entre os rios Minho e Lima. Chegou às terras de Coura, então pertencentes ao julgado de Frayão, em finais de abril de 1258, e durante duas semanas, que entraram pelo mês de maio, prosseguiu os seus trabalhos, acompanhado de uma cavaleiro, que transportava a bandeira real, bem como os livros de papiro, que iam recebendo as letras duras com as obrigações dos camponeses.
LER MAIS
:: Opinião
O QUE FOI A INTERVENÇÃO DE PORTUGAL NA PRIMEIRA GRANDE GUERRA
Comemora-se este ano, como se sabe, o Primeiro Centenário sobre a Primeira Grande Guerra, na qual Portugal também entrou, embora, de maneira aberta, só o tenha feito dois anos mais tarde, em Março de 1916, quando a Alemanha, ciente de que não íamos manter a neutralidade por força da nossa aliança com a Grã-Bretanha, nos declarou guerra.
LER MAIS
:: Opinião
Assim se foi Portugal!
Numa cantiga que surgiu após a revolução de Abril, na altura do chamado cavaquismo, que não seria uma cantiga de intervenção, mas que tinha implícita na sua letra uma certa crítica social, dizia-nos no seu refrão: “E assim se faz Portugal, uns vão bem, outros mal.” Aliás, esta mensagem é ainda hoje bastante actual! Lembrei-me desta cantiga, quando escolhi o título desta crónica por haver nele uma certa analogia. Claro que estou a referir-me ao Portugal selecção de futebol.
LER MAIS
:: Opinião
A robustez delicada da mulher nortenha
Mulheres determinadas são as mulheres da nossa terra! São mulheres dedicadas e trabalhadoras, crentes e lutadoras. Elas são sobretudo simultaneamente fortes e delicadas. O meio, dito rural, onde nos encontramos, mostra de uma forma bem visível o quão é importante o papel da mulher na sociedade. Ou pelo menos nesta típica sociedade de aldeia. A tipicidade do mundo rural, onde a agricultura é uma realidade, mesmo que em pequena escala, guarda tradição. Principalmente em relação ao papel das mulheres nos diferentes meios que integram. Está bem patente nas nossas freguesias a importância destas senhoras no ambiente familiar. Como matriarcas do lar, são competentes orientadoras e agilizadoras das políticas domésticas. E nessas lidas, são muitas vezes as únicas intervenientes.
LER MAIS