www.noticiasdecoura.com
noticiasdecoura@gmail.com
Tel.Fax 251 782 643

Edição on-line

 
   
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
   
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
   
 


::. Destaques

LIPINHO, UM LIMIANO QUE É SÍMBOLO DO COURENSE

"Courense fez bem não ter aceitado o convite para subir"

Filipe Vieira, conhecido no mundo do futebol por Lipinho, cumpre a quinta época com as cores do Sporting Clube Courense (SCC). Para além de se ter afirmado desde logo como um dos indiscutíveis da equipa, o limiano rapidamente fez valer a importância da sua experiência e cedo se tornou uma das vozes mais influentes e respeitadas no balneário, sendo por isso com toda a naturalidade um dos capitães da equipa.

Aos 34 anos, a carreira futebolística de Lipinho fala por si. A juntar às três subidas de divisão ao serviço do clube da terra e do coração – o Limianos, o nosso entrevistado desta edição soma muitas épocas na 3ª Divisão em clubes como Monção, Cerveira e Ponte da Barca.
Em boa hora aceitou o convite de Armando Araújo Carioca para se transferir para Paredes de Coura até porque nestas últimas quatro épocas foi um dos atletas com maior destaque em duas das mais notáveis campanhas do SCC, o 3º lugar alcançado no período de José Pequeno e o vice-campeonato da época passada, que correspondeu à melhor classificação de sempre do clube. Não será, por isso, excessivo afirmar-se que Lipinho é um dos jogadores com mais qualidade que já passaram pelo emblema courense, tendo já conquistado um lugar de relevo na história do clube e um carinho especial por parte de adeptos e simpatizantes.

Como se deu a vinda de Lipinho para o SCC?
Conhecia o presidente do clube, o Sr. Armando, da minha actividade como jornalista da secção de desporto do jornal Alto Minho. Houve uma primeira abordagem do presidente a um colega que na altura também jogava no Limianos, falou-se de mim e os três agendámos uma reunião. Entretanto a época terminou e apesar de ter subido com o Limianos eu já tinha decidido que não iria continuar no clube, apesar de pretenderem a minha continuidade. O SCC chegou primeiro e eu dei a minha palavra de que viria para cá. A verdade é que antes ainda de assinar contrato, fui abordado por um outro clube, que viria a ser o campeão nessa temporada. Ainda falei com o Sr. Armando para que ele me libertasse, no entanto, ele disse-me que pretendia construir uma equipa forte e que eu me incluía nesse projecto. Não me poderia impedir de sair se eu assim quisesse mas ficaria magoado. Claro que só podia manter a minha palavra e em boa hora o fiz. Já vou na 5ª época consecutiva no SCC, algo inédito, na medida em que nunca estive tanto tempo seguido num clube. A partir da primeira época, gostei tanto de cá estar que dou ao clube a possibilidade de optar pela minha continuidade se assim o quiser.
Por outro lado, o Marcolino que foi meu colega no Cerveira e que na altura jogava no SCC, falou-me muito bem do clube, dizendo que depois de vir para Coura não ia querer outra coisa. E assim foi.
As questões financeiras foram decisivas para aceitar o convite do SCC?
O SCC foi o único clube que me apresentou valores, tendo eu aceitado e dado o meu compromisso. Os dois outros clubes que manifestaram interesse em contar comigo não chegaram a apresentar valores. A partir daí nunca ouvi outras propostas, sempre dei a primazia ao SCC.
Quais os pontos altos do seu trajecto no SCC?
Naturalmente, o primeiro ano, com o Zé Pequeno, em que fizemos a pré-época atrás de uma das balizas devido às obras no sintéctico e o ano passado.
É invulgar um futebolista ser também jornalista. Como consegue fazer a cobertura dos jogos, na medida em que nessa hora encontra-se a jogar?
Essa é a maior limitação que tenho na minha actividade profissional, que procuro contornar ouvindo as declarações dos treinadores, analisando os dados relativos ao jogo e socorrendo-me de outras fontes. As pessoas já me conhecem pelo trabalho que venho desenvolvendo ao longo destes 10 anos e sabem que apesar de dar a minha opinião nas crónicas, procuro sempre separar as águas e ser imparcial.
O facto de viver o futebol por dentro há tantos anos como futebolista ajuda-o na sua actividade como jornalista?
Claro que sim. Ajuda a manter uma alargada rede de contactos e permite que os diversos agentes me respeitem porque eu, acima de tudo, procuro ser respeitador.
Quais foram os pontos altos do seu trajecto como futebolista?
As subidas são sempre os momentos mais marcantes. As experiências fora de Ponte de Lima foram igualmente épocas intensas porque foram sempre campeonatos na terceira divisão. O SCC correspondeu à minha primeira saída de Ponte de Lima para jogar no distrital.
Lembra-se da sua melhor época?
Três anos antes de vir para o SCC, na minha segunda subida pelo Limianos, consegui uma época muita produtiva, quer em golos, quer na qualidade das exibições.
O Lipinho sempre pisou terrenos avançados?
Sempre joguei a médio/extremo direito. Mas desde que vim para o SCC tenho alternado essa posição com a de médio ofensivo centro.
Qual o seu clube de eleição?
O Limianos, por vários motivos. É o clube da terra, é onde tenho um grupo de amigos de vários anos a jogar juntos e sempre formámos grandes equipas. É o clube de que mais gosto e onde me sinto melhor. Depois destaco o SCC e a atestá-lo está o facto de nunca ter estado tantos anos consecutivos no mesmo clube. Integrei-me bem aqui, as pessoas demonstram carinho e não há motivo para se mudar quando se está bem.
Chegou a acalentar o sonho da profissionalização?
Sim. Depois da minha primeira época sénior, há cerca de 15 anos, cheguei a fazer um treino no Beira-Mar, que tinha acabado de subir à 1ª Divisão. O treinador, o António Sousa, tinha uma equipa jovem e procurava jogadores experientes. Não fiquei. A partir daí, tive um ou dois contactos para jogar na 2ª B, em equipas do distrito, situações que também não se concretizaram.
Como entendeu e reagiu ao facto da direcção do SCC ter declinado no final da época passada a possibilidade da subida administrativa à 3ª Divisão?
Eu sou daqueles que acho que o SCC fez bem em não ter aceitado subir. Mas, por outro lado, pensando nos atletas que nunca jogaram nos nacionais, penso que seria uma boa oportunidade para eles. Espero que essa possibilidade volte a surgir, na 2ª Divisão, visto que esta época é a última em que se disputa a 3ª Divisão. Claro que se o SCC tivesse sido campeão, seria de outra forma, visto que o campeão deve sempre subir. Dessa forma, acho que se fez bem, visto que seria uma experiência de apenas um ano, na medida em que sobem à Segunda os dois primeiros de cada série e todas as restantes equipas baixam às distritais.

[23-10-2012 - 10:57] [José Miguel Nogueira]

::. Mais Notícias desta Secção
Total Notícias: 2
 

CORPORAÇÃO COURENSE VAI TER NOVO COMANDANTE
Filipe Esteves vai frequentar a Escola Nacional de Bombeiros
É ainda um jovem de 35 anos mas revela já grande experiência como bombeiro, sendo notória a sua capacidade, interventiva e de organização, revelada na gestão da equipa de bombeiros durante o recente Festival Paredes de Coura. Quem o garante é a presidente da instituição, Iolanda Pereira.

[16-12-2014 - 11:00] [Manuel Tinoco]


LER MAIS

Associação do Lar da Terceira Idade aprova orçamento
Mais um passo decisivo foi dado para a construção do Lar de Terceira Idade de Rubiães: a aceitação da Associação Conceição e Manuel Soares como IPSS, por parte da Segurança Social. Seguir-se-á agora a respectiva publicação no Diário da República.

[16-12-2014 - 11:06] [Vaz de Sousa]


LER MAIS

 

:: Opinião
Culturalmente falando
Por vezes ficamos surpreendidos com a realidade dos factos. Principalmente quando estes nos apresentam os dados ao contrário do que esperamos. Existe, pois, em cada um de nós a crença. Em quê? Às vezes fico estupefacta com as respostas! Fica no entanto a certeza de que a crença, pelo conto ou desconto, quando é sentida, dificilmente é abalada! Respeito todas as crenças. Respeito todas as posições. Respeito todas as orientações. Mas não respeito quem não quer ver, e defende uma crença com base na ilusão.
LER MAIS
:: Opinião
Quotidianos
De tão longas e contínuas que são as viagens de avião, com tempos infinitos de espera em aeroportos, que passam de forma célere, depressa se aprende a atenuar as deslocações intercontinentais. Falo a propósito de uma viagem a Timor Leste, que me aconteceu por estes dias. Não havendo atrasos e não se registando greve alguma, as coisas acontecem naturalmente e passa-se de um voo para outro como quem dá um pequeno salto. Tenho o hábito de viajar por Singapura, e de modo algum quero deixar de o fazer, pois é uma cidade-estado que continuamente nos surpreende.
LER MAIS
:: Opinião
Eiras de Natal
Todos os anos por esta altura a tradição é posta à prova. No geral, a ideia é que o consumismo domina cada vez mais esta época e que o verdadeiro espírito natalício se perdeu. A realidade é que, consumistas ou não, os portugueses continuam a comer o seu bacalhau e a reunirem-se na noite de Natal para uma noite de família.
LER MAIS
:: Opinião
Mais um Natal
Estamos no último mês do ano, a percorrer os últimos metros da corrida organizada pelo calendário do tempo. É o mês de Dezembro! Este mês é diferente dos seus antecessores nos aspectos mais comuns, mas, como todos os outros, trazendo doces esperanças, duvidosas certezas e inesperadas surpresas. Contudo, é o mês mais desejado do ano, talvez por guardar no seu seio o hábito da surpresa, o sonho da prenda que se troca para estabelecer a promessa ou marcar o reencontro.
LER MAIS